Planos de Enquadramento – Parte 3

Rating: 5.00 based on 2 Ratings
Caio Carvalho
  Por Caio Carvalho
Planos de Enquadramento – Parte 3 www.lightroombrasil.com.br

Olá para todo mundo! Dando seguimento a série de artigos sobre planos de enquadramento, hoje falaremos sobre Plano Conjunto, Plano Americano e Médio Primeiro Plano.

Para quem ainda não leu, recomendo a leitura da primeira e da segunda parte desta série.

Vamos começando então!

O Plano Conjunto tem como característica apresentar a personagem para o público. Podemos dizer que o Plano Conjunto é a primeira impressão que teremos de nossa personagem. A maneira como anda, como se veste, seu gestual. De forma mais clara, abaixo segue um exemplo de um Plano Conjunto.

Imagem em Plano Conjunto
Plano Conjunto – O Diabo Veste Prada

Muitos podem confundir o Plano Conjunto com o Plano Geral, mas a principal diferença é que no Plano Geral, o destaque maior está no ambiente, o que se destaca é o lugar em que a personagem está inserida, enquanto que no Plano Conjunto é a personagem que está em destaque. Utilizando novamente as linhas da Regra dos Terços:

Plano Conjunto - Regra dos Terços
A mesa em foco!

O centro de atenção da cena está na mesa da Miranda (Meryl Streep). E não por acaso, a ideia é justamente dar destaque para o trabalho e a importância da personagem no filme. Uma mesa grande com muitos papeis. Facilmente você identificada que quem tem mais “poder” na cena é a personagem da Meryl Streep.

Entramos agora no Plano Americano. Pelo próprio nome, ele foi criado em Holywood, mas especificamente nos filmes de Velho Oeste. Mas por quê? Simples. Qual uma das principais ações que ocorrem em filmes de Velho Oeste? Os duelos. No Plano Conjunto, muitas informações gestuais e faciais acabavam se perdendo. Como resolver? Simples, basta analisar a imagem abaixo:

Imagem do Plano Americano
Plano Americano

Repare que o enquadramento corta a personagem um pouco acima do joelho. Isso para que, além de ressaltar os gestuais e as expressões faciais, as armas dos cowboys se destacassem também. Nem me dou ao trabalho que colocar as linhas da regra dos terços, já que claramente vemos que a imagem está centralizada. O que também não chega a ser um problema, dependendo do caso.

Por fim e não menos importante, temos o Médio Primeiro Plano. Mais comumente conhecido como o plano de enquadramento dos telejornais. Neste plano a ideia é dar foco nas expressões gestuais e faciais da personagem, percebidas com bastantes detalhes. Segue o exemplo abaixo:

Imagem do Médio Primeiro Plano
Médio Primeiro Plano – Larry King

Nosso amigo Larry King está em Médio Primeiro Plano. Aliás, este é um exemplo em que a imagem centralizada foi bem usada. A ideia é dar foco na entrevista, chamando bastante a atenção do espectador. Mas o risco aqui é que o programa tem tudo para se tornar muito cansativo. E aí que surge a criatividade do diretor em descobrir como fazer para que isso não aconteça. Sabe como? O microfone.

O simples fato do microfone estar colocado em um ponto estratégico da cena, já cria uma compensação visual, que deixa o lado direito “mais cheio” que o lado esquerdo, dessa forma a imagem torna-se muito mais atrativa e menos densa do que se o microfone não estivesse lá. Veja como um simples elemento para ajudar absurdamente a sua composição de cena!

Por hoje vamos ficando por aqui! Semana que vem a quarta e última parte dos artigos sobre planos de enquadramento.

Até lá!

Rating: 5.00 based on 2 Ratings
As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.
Caio Carvalho
Apaixonado por arte, tecnologia e pela natureza, Caio encontrou na fotografia e vídeo uma forma de se expressar e nunca mais parou. Editor de fotos, fotógrafo e videomaker há quase 10 anos. @caiocarvalhofoto

Comentários (0)

Ainda não há comentários.

Inscreva-me para um resumo semanal dos melhores artigos publicados no blog

Seu e-mail está seguro com a gente. Promessa