Nitidez de Saída

Rating: 5.00 based on 2 Ratings
Caio Carvalho
  Por Caio Carvalho
Nitidez de Saída www.lightroombrasil.com.br

Olá pessoal. Vamos dar continuidade em nossa série de artigos sobre aplicação de nitidez em fotografia digital. Você poderá ver os dois primeiros artigos desta série nestes links: Artigo 1 – Aplicação de Nitidez no Fluxo de Trabalho e Artigo 2 – Nitidez de Entrada.

Enquanto a aplicação de nitidez de entrada, e também a criativa que veremos no próximo artigo, é dependente do gosto pessoal de cada um, a aplicação de nitidez de saída é um trabalho muito mais técnico. A nitidez de saída é direcionada para o suporte final da imagem, seja ela para apresentação em tela ou impressão, e depende diretamente do tamanho final da imagem. Na época em que o tratamento fotográfico era feito todo em softwares como o Adobe Photoshop, isto significava criar ACTIONS com a aplicação de nitidez específica para um fim determinado (uma ACTION para impressão off-set, outra para visualização em tela, outra para impressão fotográfica e daí por diante) e criar várias duplicatas das fotos.

Lightroom transforma o processo de nitidez de saída em algo muito mais prático e, principalmente, o coloca no ponto certo do fluxo de trabalho, na exportação da imagem. Mas primeiro, vamos entender melhor a nitidez de saída.

aplicação de nitidez de saída parte do pressuposto de que sua imagem tenha recebido a aplicação de nitidez necessária e adequada para as características de entrada da imagem. Ou seja, dependendo da nitidez de seu conjunto câmera+objetiva, das configurações de captura e das características do assunto (alta frequência, baixa frequência, orgânico, mecânicos e etc), você terá aplicado a nitidez de forma correta a ter um bom resultado em tela.

Partindo desta ideia, a aplicação de nitidez de saída apenas adequará a imagem ao processo final pelo qual ela passará. Se a imagem for para utilização em tela, a aplicação de nitidez será bastante sutil, pois a aplicação de entrada já terá deixado a imagem ?no ponto? para uso em tela. Se for para impressão, a coisa complica um pouco, pois uma imagem que ficará nítida na impressão certamente parecerá ?nítida demais? quando vista em tela. Isto se dá pelo fato de que o modo como a imagem é reproduzida na tela (através de pixels alinhados vertical e horizontalmente) é bastante diferente da impressão por jato de tinta (pontos difusos), off-set (retícula) e impressão fotográfica (tons contínuos).

Isto significa que imagens para apresentação em tela não precisam de aplicação de nitidez de saída? Não, não significa.

Quando você reduz uma imagem (a ampliação da imagem sempre degrada a imagem e deve, sempre que possível, ser evitada), a tendência é de que se perca a impressão de nitidez, pois a redução afeta também as áuras de contraste geradas pelo processo de aplicação de nitidez de entrada. Como normalmente você reduzirá suas imagens para apresentação em tela (normalmente para um tamanho que possa ser visto por inteiro no monitor, como 640 x 480), a imagem deverá receber uma nova aplicação de nitidez (de saída) em seu novo formato, para compensar a perda de nitidez causada pela redução.

Tudo muito complicado, né? Não, pois os desenvolvedores do Lightroom, entendendo que a nitidez de saída independe das características individuais da foto, deixaram uma ferramenta muito bacana no diálogo de exportação de imagem. Esta ferramenta é que veremos agora.

Para tanto, voltaremos na foto da semana passada.

Autoretrato

Como qualquer outra foto no Lightroom, para ela ser utilizada (seja para postar em um blog, enviar por e-mail, mandar para impressão ou utilizar em outro programa) ela precisa ser exportada, e fazemos isto no menu FILE >> EXPORT.

No diálogo de exportação, que você já deve conhecer, você terá a opção de escolher o tamanho da imagem, sua resolução, e demais opções. Estas opções são importantes, pois o Lightroom fará uso delas para escolher a quantidade correta de aplicação de nitidez de saída. Então neste ponto é ideal que você tenha uma idéia do tamanho final em que a imagem será utilizada, em pixels para o caso de uso em tela, e em cm ou polegadas para impressão.

Porém, quando se trata de aplicação de nitidez de saída, os comandos diretamente que nos importam estão na seção OUTPUT SHAPENING:

saida_002

É nesta seção que você opta por aplicar, ou não, nitidez de saída em sua imagem. Você escolhe também o destino da imagem, bem como a quantidade de nitidez de saída. Salvo raras exceções, a opção SHARPEN FOR, que ativa a aplicação, deve estar sempre ligada.

O que seria uma rara exceção: você estar enviando um JPEG para alguém que irá tratar a imagem posteriormente. Como a imagem receberá um novo tratamento, a aplicação de nitidez de saída poderá gerar artefatos que serão enfatizados no novo tratamento. Isto é normal de acontecer quando você trabalha juntamente a um designer ou uma agência, que utilizará sua imagem para montagens ou outros tipos de tratamento. Nestes casos, você enviará para eles a imagem RAW original ou um JPEG exportado sem aplicação de nitidez de saída.

Com a opção SHARPEN FOR ativa, você escolhe o objetivo de sua foto:

  • SCREEN (Tela) ? para utilização em tela. É a opção que você utilizará para imagens que serão utilizadas em blogs, sites de compartilhamento de fotos, websites e etc. Das opções, esta é a que aplica menos nitidez de saída;
  • MATTE PAPER (Papel Fosco) ? para utilização em impressão. É a opção que você utilizará para imagens que serão impressas em papel fotográfico fosco, papel simples ou ainda couchê sem verniz. Esta aplicação é mais forte que a aplicação da opção SCREEN, e bastante similar à aplicação da próxima opção. As opções Matte e Glossy paper se diferenciam muito sutilmente na força, e mais enfaticamente nas configurações de raio;
  • GLOSSY PAPER (Papel Brilhante) ? para utilização em impressão. É a opção que você utilizará para imagens que serão impressas em papel fotográfico brilhante ou outro papel que receba verniz brilhante. Esta aplicação é mais forte que a aplicação da opção SCREEN, e bastante similar à aplicação da próxima opção. As opções Matte e Glossy paper se diferenciam muito sutilmente na força, e mais enfaticamente nas configurações de raio.

Ao lado da opção do tipo de suporte, você tem a opção AMOUNT, com as opções LOW, MEDIUM e HIGH. Estas opções resultam em um maior ou menor nível de nitidez na imagem, e serve para adequar as opções de saída ao gosto pessoal e diferenças sutis de necessidade (exemplo, uma impressora que, por padrão, seja um pouco menos nítida que o ?normal?).

Feito isto, basta exportar a imagem. Lembrando que o ideal é que a imagem seja exportada já no tamanho correto de uso, pois caso você precise ampliar ou reduzir a imagem para a utilização final, ela certamente perderá parte do efeito de nitidez de entrada que voce passou tanto trabalho configurando.

Abaixo temos um retalho da foto exportado com as opções SCREEN, MATTE e GLOSSY, respectivamente. Perceba as diferenças na nitidez:

Autoretrato

Todas as exportações foram feitas no tamanho da utilização (163 px de largura), e não tiveram a dimensão alterada para o uso aqui no blog. Para fins de teste, exportei o retalho mais uma vez com a opção GLOSSY, mas desta vez com o tamanho original dele, e então reduzi a imagem já exportada para o tamanho de 163px de largura. Perceba como a nitidez se perde, chegando a ter nitidez inferior à imagem exportada com a opção SCREEN no tamanho correto:

Autoretrato

E isto é tudo. Simples não? Se você tiver feito um bom trabalho na aplicação de nitidez de entrada, e opcionalmente na aplicação criativa, a nitidez de saída no Lightroom é um passeio no parque, desde que você saiba em que tamanho final a imagem será utilizada.

Semana que vem veremos como utilizar o Pincél de Ajustes do LR para fazer a Aplicação Criativa de Nitidez, um processo intermediário e opcional no fluxo de trabalho, mas que bem aplicado pode fazer sua imagem saltar aos olhos.

Até lá!

Rating: 5.00 based on 2 Ratings
As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.
Caio Carvalho

Caio Carvalho

Apaixonado por arte, tecnologia e pela natureza, Caio encontrou na fotografia e vídeo uma forma de se expressar e nunca mais parou. Editor de fotos, fotógrafo e videomaker há quase 10 anos. @caiocarvalhofoto

Comentários (0)

Ainda não há comentários.

Inscreva-me para um resumo semanal dos melhores artigos publicados no blog

Seu e-mail está seguro com a gente. Promessa